domingo, 20 de janeiro de 2013

Aspectos psicológicos no mercado de ações

Hoje vou falar sobre um dos mais aspectos mais importantes, senão o mais importante que considero no mercado de ações, que é exatamente o aspecto psicológico na decisão de comprar, vender ou manter uma ação em carteira.

Primeiramente existe dois perfis de investidores, os traders e o investidor e vou concentrar meu estudo nesse segundo perfil que é justamente o meu. Escolher as ações para a carteira eu considero a tarefa mais complicada e para isso não devemos nos influenciar por ninguém e por noticia nenhuma, devemos sim, ter ou criar um metódo e seguir esse metódo e saber lidar com as variações negativas com tranquilidade e paciência.

Vou dar um exemplo no esporte, a maratona eu considero como o mercado de ações e niguem ganha uma maratona sendo só o mais rapido e sim com muita estratégia, paciência, tenacidade e disciplina. Não adianta nada querer gastar toda energia, esforço mental visando ultrapassar os lideres da maratona logo no começo da prova, temos de monitar e dosar nossos esforços para na hora certa dar o sprint final para conseguirmos alcançar o sucesso.

Muitos investidores ficam no meio do caminho por não conseguirem lidar com as oscilações e extrair vantagem nos melhores momento da competição, onde a ações interessantes estão justamente descontadas e muitos acabam se desfazendo e deixando a competição de bandeja para os investidores com melhor preparo psicológico.

Em 2008 quem teve sangue frio e soube lidar melhor com as incertezas do mercado, se deu muito bem, agora quem não estava preparado e não soube como reagir certamente ficou traumatizado e dificilmente voltará sem ter aprendido uma das maiores lições no mercado de ações.

Tenho uma ação, a ELPL4 que considero como a situação de 2008, a empresa foi extremamente punida pelo mercado por conta da última revisão tarifária e das medidas implementadas pelo governo, mesmo sem ter nada a ver com essas medidas, porque ela é distribuidora e seu contrato só vence em 2028. A empresa tem alguns drivers negativos como a divida superior a 1 Bilhão com a Eletrobras e que entrou em fase de recurso e que acredito já estar precificada pelo mercado, agora ela também possuis diversos drivers positivos, o último foi a venda em milhões de reais de varios imóveis na capital paulista que deverão entrar ainda esse ano na conta. O que estou querendo dizer sobre esse exemplo da ELPL4 é que devemos analisar todas situações e não só as noticias negativas e positivas, devemos aproveitar através de uma metodologia eficiente as oportunidades e tomar a decisão de forma tranquila e consciente através de um melhor preparo psicológico que muitas das vezes só adquirimos com muita experiência.

Abaixo coloco uma boa entrevista sobre o meu artigo da advfn:

Referência - http://br.advfn.com/educacional/psicologia-do-trader/entrevista

O estudo da mente do investidor vem ganhando cada vez mais espaço nos cursos relacionados ao mercado financeiro, principalmente àqueles que focam o estudo da análise técnica e a formação de traders.
Mas como a psicologia (estudo da mente) pode auxiliar o investidor a melhorar o seu desempenho no dia-a-dia do mercado financeiro? Essa questão será respondida por dois especialistas na arte de aplicar a psicologia para melhorar o desempenho de traders e investidores: a psicóloga Maria Alice Fontes e o trader profissional Bo Williams. Maria Alice Fontes é mestre e doutora em psicologia pela UNIFESP e possui larga experiência na avaliação e no atendimento psicológico de traders e profissionais do mercado financeiro. Sua experiência clínica é embasada e compartilhada com o trabalho de Bo Williams, trader profissional e criador da metodologia ;

Qual a importância da psicologia no mercado de ações?

Na nossa opinião, dois terços do sucesso é psicológico. Alguns profissionais falam que é 99% psicológico. O lado matemático (leitura de gráfico, gerenciamento de risco e capital) é relativamente simples. Acontece que o comportamento natural do ser humano é contra esta matemática. Além de ter um conhecimento técnico básico, os investidores e traders precisam entender que para ganhar dinheiro, é necessário superar os conflitos psicológicos. Eles precisam modificar suas crenças, atitudes, pensamentos, sentimentos e emoções, e comportamento. Isso é um desafio psicológico.

Vocês acham que as pessoas devem investir o dinheiro de uma vida inteira em ações?

Não. Isso seria muito perigoso, principalmente para os iniciantes. Conheço pessoas que trabalharam a vida inteira para juntar um patrimônio considerável. Elas perderam tudo no mercado em poucos anos, o que causou graves consequências financeiras e pessoais.
É preciso respeitar o risco associado com o mercado financeiro. O mercado exibe dois comportamentos: tendência e consolidação. Em tempos de forte tendência, como a subida entre 2003 e 2008, é mais provável ter sucesso. Mas em tempos de consolidação, o mercado pode oscilar fortemente para cima e para baixo. Estas altas e baixas aumentam o risco consideravelmente. A maioria das pessoas não está preparada para lidar com tanto risco, e muitas vezes acabam agravando a situação por questões psicológicas.
Mas, para quem está preparado, o mercado financeiro oferece retornos potencialmente maiores pelo risco envolvido. Na fase de aprendizagem, é muito mais provável perder. Por isso, no início, nós recomendamos limitar a exposição ao risco à 10% do patrimônio. Com tempo (alguns anos), se tiver êxito, pode aumentar um pouco mais. É importante sempre manter uma diversificação saudável entre imóveis, renda fixa e renda variável.

O comportamento do investidor iniciante tem muito do comportamento de um jogador?

Isso é uma pergunta interessante. Primeiro, é importante distinguir entre o investidor e o trader.
O investidor tem uma expectativa de retorno de investimento no longo prazo. Ele normalmente acredita num crescimento adequado, compra um ativo, e pacientemente espera para o retorno. O investidor não tem perfil de jogador. Ele não acompanha diariamente seu investimento. Psicologicamente, isso é uma vantagem por que ele evita a tentação de mexer muito na carteira e se sujeitar aos riscos financeiros e psicológicos. Quem comprou ações em 2003 como investimento, por exemplo, se deu muito bem até hoje, mesmo com as oscilações desde 2009.
O trader tem um perfil totalmente diferente. Tecnicamente, ele é um jogador, medindo seu risco e apostando nas probabilidades de um ativo subir ou cair no curto prazo. O trader é exposto a muitos riscos financeiros e psicológicos. A tentação de operar em si representa um grande perigo. Estatisticamente, é muito mais provável perder um trade do que ganhar. Um bom trade system, por exemplo, ganha somente 40% dos seus trades. Os trades lucrativos são raros. Quando um trader opera indiscriminadamente, ele aumenta sua chance de perder. Quando começa a perder, as armadilhas psicológicas começam a atrapalhar. Mesmo quando o trader está ganhando, sua natureza trabalha contra ele mesmo.
É estimado que 90% dos traders perdem dinheiro. Acho que isso é devido a falta de conhecimento da matemática do mercado acoplada com a falta de habilidades psicológicas tão necessárias para trabalhar com os riscos e tentações. Investidores pensando no longo prazo tem muito mais chance de sucesso.

Eu li que o principal sinal de jogo nas operações de mercado é a incapacidade de resistir à tentação de apostar. Vocês concordam?

Nós diríamos que isso é um sinal grave de descontrole e, em geral, se aplica ao trader impulsivo, exatamente aquele que será destinado a se quebrar. A impulsividade está em um extremo psicológico na escala de emoções do trader. O medo fica do outro lado. Qualquer uma destas extremidades, impulsividade ou medo, atrapalha a vida em geral, e é fatal no mercado financeiro.
Cada trader é um jogador, assumindo um risco e buscando um retorno num ambiente de probabilidade. Mas os traders de sucesso fazem isso numa maneira controlada, seguindo modelos matemáticos sólidos. Eles não estão buscando um “rush”. A satisfação do seu trabalho está na execução do seu trade system. As recompensas financeiras são o resultado disso, não o motivo principal.
Emoções são uma característica nobre do ser humano, mas quem opera num estado emocional elevado está na contramão em relação da matemática do mercado. O resultado é quase sempre perda. Os iniciantes sofrem mais com emoções, pois eles não tem o conhecimento e experiência necessários para ter controle e reconhecer os perigos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário