domingo, 20 de janeiro de 2013

Aspectos psicológicos no mercado de ações

Hoje vou falar sobre um dos mais aspectos mais importantes, senão o mais importante que considero no mercado de ações, que é exatamente o aspecto psicológico na decisão de comprar, vender ou manter uma ação em carteira.

Primeiramente existe dois perfis de investidores, os traders e o investidor e vou concentrar meu estudo nesse segundo perfil que é justamente o meu. Escolher as ações para a carteira eu considero a tarefa mais complicada e para isso não devemos nos influenciar por ninguém e por noticia nenhuma, devemos sim, ter ou criar um metódo e seguir esse metódo e saber lidar com as variações negativas com tranquilidade e paciência.

Vou dar um exemplo no esporte, a maratona eu considero como o mercado de ações e niguem ganha uma maratona sendo só o mais rapido e sim com muita estratégia, paciência, tenacidade e disciplina. Não adianta nada querer gastar toda energia, esforço mental visando ultrapassar os lideres da maratona logo no começo da prova, temos de monitar e dosar nossos esforços para na hora certa dar o sprint final para conseguirmos alcançar o sucesso.

Muitos investidores ficam no meio do caminho por não conseguirem lidar com as oscilações e extrair vantagem nos melhores momento da competição, onde a ações interessantes estão justamente descontadas e muitos acabam se desfazendo e deixando a competição de bandeja para os investidores com melhor preparo psicológico.

Em 2008 quem teve sangue frio e soube lidar melhor com as incertezas do mercado, se deu muito bem, agora quem não estava preparado e não soube como reagir certamente ficou traumatizado e dificilmente voltará sem ter aprendido uma das maiores lições no mercado de ações.

Tenho uma ação, a ELPL4 que considero como a situação de 2008, a empresa foi extremamente punida pelo mercado por conta da última revisão tarifária e das medidas implementadas pelo governo, mesmo sem ter nada a ver com essas medidas, porque ela é distribuidora e seu contrato só vence em 2028. A empresa tem alguns drivers negativos como a divida superior a 1 Bilhão com a Eletrobras e que entrou em fase de recurso e que acredito já estar precificada pelo mercado, agora ela também possuis diversos drivers positivos, o último foi a venda em milhões de reais de varios imóveis na capital paulista que deverão entrar ainda esse ano na conta. O que estou querendo dizer sobre esse exemplo da ELPL4 é que devemos analisar todas situações e não só as noticias negativas e positivas, devemos aproveitar através de uma metodologia eficiente as oportunidades e tomar a decisão de forma tranquila e consciente através de um melhor preparo psicológico que muitas das vezes só adquirimos com muita experiência.

Abaixo coloco uma boa entrevista sobre o meu artigo da advfn:

Referência - http://br.advfn.com/educacional/psicologia-do-trader/entrevista

O estudo da mente do investidor vem ganhando cada vez mais espaço nos cursos relacionados ao mercado financeiro, principalmente àqueles que focam o estudo da análise técnica e a formação de traders.
Mas como a psicologia (estudo da mente) pode auxiliar o investidor a melhorar o seu desempenho no dia-a-dia do mercado financeiro? Essa questão será respondida por dois especialistas na arte de aplicar a psicologia para melhorar o desempenho de traders e investidores: a psicóloga Maria Alice Fontes e o trader profissional Bo Williams. Maria Alice Fontes é mestre e doutora em psicologia pela UNIFESP e possui larga experiência na avaliação e no atendimento psicológico de traders e profissionais do mercado financeiro. Sua experiência clínica é embasada e compartilhada com o trabalho de Bo Williams, trader profissional e criador da metodologia ;

Qual a importância da psicologia no mercado de ações?

Na nossa opinião, dois terços do sucesso é psicológico. Alguns profissionais falam que é 99% psicológico. O lado matemático (leitura de gráfico, gerenciamento de risco e capital) é relativamente simples. Acontece que o comportamento natural do ser humano é contra esta matemática. Além de ter um conhecimento técnico básico, os investidores e traders precisam entender que para ganhar dinheiro, é necessário superar os conflitos psicológicos. Eles precisam modificar suas crenças, atitudes, pensamentos, sentimentos e emoções, e comportamento. Isso é um desafio psicológico.

Vocês acham que as pessoas devem investir o dinheiro de uma vida inteira em ações?

Não. Isso seria muito perigoso, principalmente para os iniciantes. Conheço pessoas que trabalharam a vida inteira para juntar um patrimônio considerável. Elas perderam tudo no mercado em poucos anos, o que causou graves consequências financeiras e pessoais.
É preciso respeitar o risco associado com o mercado financeiro. O mercado exibe dois comportamentos: tendência e consolidação. Em tempos de forte tendência, como a subida entre 2003 e 2008, é mais provável ter sucesso. Mas em tempos de consolidação, o mercado pode oscilar fortemente para cima e para baixo. Estas altas e baixas aumentam o risco consideravelmente. A maioria das pessoas não está preparada para lidar com tanto risco, e muitas vezes acabam agravando a situação por questões psicológicas.
Mas, para quem está preparado, o mercado financeiro oferece retornos potencialmente maiores pelo risco envolvido. Na fase de aprendizagem, é muito mais provável perder. Por isso, no início, nós recomendamos limitar a exposição ao risco à 10% do patrimônio. Com tempo (alguns anos), se tiver êxito, pode aumentar um pouco mais. É importante sempre manter uma diversificação saudável entre imóveis, renda fixa e renda variável.

O comportamento do investidor iniciante tem muito do comportamento de um jogador?

Isso é uma pergunta interessante. Primeiro, é importante distinguir entre o investidor e o trader.
O investidor tem uma expectativa de retorno de investimento no longo prazo. Ele normalmente acredita num crescimento adequado, compra um ativo, e pacientemente espera para o retorno. O investidor não tem perfil de jogador. Ele não acompanha diariamente seu investimento. Psicologicamente, isso é uma vantagem por que ele evita a tentação de mexer muito na carteira e se sujeitar aos riscos financeiros e psicológicos. Quem comprou ações em 2003 como investimento, por exemplo, se deu muito bem até hoje, mesmo com as oscilações desde 2009.
O trader tem um perfil totalmente diferente. Tecnicamente, ele é um jogador, medindo seu risco e apostando nas probabilidades de um ativo subir ou cair no curto prazo. O trader é exposto a muitos riscos financeiros e psicológicos. A tentação de operar em si representa um grande perigo. Estatisticamente, é muito mais provável perder um trade do que ganhar. Um bom trade system, por exemplo, ganha somente 40% dos seus trades. Os trades lucrativos são raros. Quando um trader opera indiscriminadamente, ele aumenta sua chance de perder. Quando começa a perder, as armadilhas psicológicas começam a atrapalhar. Mesmo quando o trader está ganhando, sua natureza trabalha contra ele mesmo.
É estimado que 90% dos traders perdem dinheiro. Acho que isso é devido a falta de conhecimento da matemática do mercado acoplada com a falta de habilidades psicológicas tão necessárias para trabalhar com os riscos e tentações. Investidores pensando no longo prazo tem muito mais chance de sucesso.

Eu li que o principal sinal de jogo nas operações de mercado é a incapacidade de resistir à tentação de apostar. Vocês concordam?

Nós diríamos que isso é um sinal grave de descontrole e, em geral, se aplica ao trader impulsivo, exatamente aquele que será destinado a se quebrar. A impulsividade está em um extremo psicológico na escala de emoções do trader. O medo fica do outro lado. Qualquer uma destas extremidades, impulsividade ou medo, atrapalha a vida em geral, e é fatal no mercado financeiro.
Cada trader é um jogador, assumindo um risco e buscando um retorno num ambiente de probabilidade. Mas os traders de sucesso fazem isso numa maneira controlada, seguindo modelos matemáticos sólidos. Eles não estão buscando um “rush”. A satisfação do seu trabalho está na execução do seu trade system. As recompensas financeiras são o resultado disso, não o motivo principal.
Emoções são uma característica nobre do ser humano, mas quem opera num estado emocional elevado está na contramão em relação da matemática do mercado. O resultado é quase sempre perda. Os iniciantes sofrem mais com emoções, pois eles não tem o conhecimento e experiência necessários para ter controle e reconhecer os perigos.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

O Diferencial das Marcas e do Marketing no Mercado Acionário

Hoje vou falar de um dos critérios que considero mais importantes na escolha da minha carteira de longo prazo, o valor das marcas e de como elas podem fazer toda diferença na composição da carteira e vou usar como exemplo a AMBEV.

A AMBEV hoje tem 3 das 10 marcas mais valiosas do Brasil e praticamente dominam o mercado de cerveja no País, tem progandas fantasticas e estão presentes na maioria dos comerciais das TVs, revistas, em grande eventos e isso acaba entrando na cabeça do consumidor e pode acreditar isso vai fazer diferença lá na frente quando vc estiver entrando como sócio.

http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/as-25-marcas-mais-valiosas-do-brasil-em-2012

As ações da AMBV3 tiveram valorização média de 2009 até dezembro de 2012 de 56% e pode acreditar que uma marca forte ajuda muito nisso, agora imagine 3 marcas fortes como é o caso dessa empresa? 

No Livro de Peter Lynch, o Jeito de Investir de Peter Lynch, ele comenta que devemos observar os produtos e ver como se comportam perante a sociedade e através do makerting e da publicidade podemos observar isso e principalmente nas ruas, observem as caixas de cerveja nas ruas, os bares cheios, as festas, as caixas de cerveja e notem a marca AMBEV ou mesmo uma dessas 3 marcas citadas acima.

Não adianta postar formulas milagrosas, complexas e todos os numeros mais bonitos e equações, o SIMPLES e o VISÍVEL nas ruas através do consumo pode nos dizer muito mais para qual caminho seguir, por isso o caminho  mais simples pode ser o mais INTELIGENTE no longo prazo.

Quanto mais a empresa investe em propaganda e marketing, seja através de comerciais ou franquias como é o caso da Alpargatas com as Havaianas, isso vai ter um impacto positivo juntos aos consumidores porque em um ambiente competitivo como é o empresarial, não adianta ser bonito tem que parecer bonito e ganhar espaço na mente dos consumidores e a midia é o caminho para que essas empresas tenham sucesso.

Um dos maiores genios da atualidade que aplica essa teoria na pratica é o austriaco Dietrich Mateschitz, dono e criador da Red Bull, transcrevo a seguir os conceitos de Mateschitz que inaugurou um novo capítulo na história do marketing empresarial. "O marketing é a nossa principal matéria-prima, sem esquecer o produto, que é a pré-condição.", refere o empresário. Devido à sua vasta experiência na área de marketing e aos estudos realizados no World Trade Institute, Mateschitz conseguiu tornar realidade o seu sonho de conquistar a Europa e os EUA. "O poder da publicidade é muito mais forte do que as promoções a longo prazo", afirma. A Red Bull reserva cerca de 35% de seu facturamento para investimentos em marketing, o qual se caracteriza por ser muito inovador, criativo e agressivo. A marca do logotipo do touro vermelho, surgiu com o posicionamento "Red Bull revitaliza o corpo e a mente" e o famoso slogan "Red Bull dá-te asaaaas"!. Os jovens e o esporte foram os símbolos eleitos pela marca para caracterizar a sua imagem e veiculá-la em campanhas de marketing. Como nesses dois grandes universos se encontram perfis diferentes de consumidores, os assessores de marketing de Mateschitz sugeriram-lhe concentrar-se nos esportes radicais e nos jovens que se identificam com riscos e desafios. A ideia demonstrou ser uma combinação perfeita, a marca transmite um estilo de vida.

Bem pessoal espero que tenham curtido o artigo porque como o grande Mateschitz, levo o investimento em marketing nas empresas que sou sócio como fator diferencial para escolha e manutenção para o Longo Prazo.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Bolha Imobiliária

Hoje estava lendo algumas noticias e para minha surpresa ou não veio o anúncio da redução dos juros para imóveis acima de R$ 500.000, interessante estimular um mercado onde os preços parecem estar fora da realidade da maioria dos brasileiros.

Vou contar a minha situação, no começo de 2009 comecei a procurar imóvel em Copacabana para comprar e os preços de 1 três quartos estavam na faixa de R$ 480.000,00 com vaga na garagem e hoje o mesmo imóvel deve estar na faixa de R$ 900.000 o que dáo quase o dobro em 4 anos, vivo de aluguel porque não quero pagar essa conta e como meu blog diz, quero minha independencia financeira e se fizesse isso certamente ficaria longe desse objetivo.

O fato realmente estranho é que a partir do dia 02 de novembro de 2009 o Rio se tornou uma cidade olimpica e a partir daquele momento os preços dispararam, podem ver em jornais da epóca e o que mais se ouvia era que o Rio de Janeiro e o Brasil mudariam para melhor, seríamos quem sabe um País de Primeiro Mundo e hoje em 2013 o que mudou?

Vou dizer o que mudou, hoje saindo do trabalho quase fui assaltado, infraestrutura de transporte péssima com valores absurdos e nos onibus voce além de pagar caro, pode levar tiro com a menina que morreu no Engenho Novo indo para a faculdade ou trabalho.

Mas o que continou? Continuou os preços absurdos dos imóveis estimulando as pessoas a se endividarem durante 35 anos, casos da zona sul do Rio de Janeiro chegam a preços de 1 quarto por R$ 500.000,00 e dois quartos de R$ 1.000.000,00 com risco de nem vaga ter.

Estive recentemente em Portugal e na Espanha e vi casos de assustar, uma vereadora na Espanha se suicidou quando tentaram tomar a casa dela e em Portugal vi casos de rifas de imóvel visando se livrar da bomba que estava sendo pagar prestações de financiamento imóbilario e a pergunta que fica, o Brasil esta preparado para isso? Porque não há um incentivo do governo para redução dos preços dos imóveis no Brasil? Aonde vamos parar com esses preços absurdos em todo o País?

Fiz a minha parte enviando e-mails para diversos deputados federais sobre o tema e não recebi nenhuma resposta até hoje e porque não respodem?

Abaixo um video muito interessante e se voces notarem alguma semelhança com o que estamos vivendo não estranhe.

https://www.youtube.com/watch?v=PWLxcwKzKCw

domingo, 13 de janeiro de 2013

Analise SWOT em ações de empresa

Bem antes de fazer uma analise sobre o porque a escolha das empresas da minha carteira, vou falar um pouco de uma ferramenta muito útil na administração e que utilizo para escolher as ações da minha carteira.

A analise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente), sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico de uma corporação ou empresa, mas podendo, devido a sua simplicidade, ser utilizada para qualquer tipo de análise de cenário e nesse caso vamos usar para escolha de empresas para nossa carteira de ações.

Objetivos e vantagens da análise SWOT

Objetivos

  • Efetuar uma síntese das análises internas e externas;
  • Identificar elementos chave para a gestão da empresa, o que implica estabelecer prioridades de atuação;
  • Preparar opções estratégicas: Riscos/Problemas a resolver.

Vantagens/Oportunidades

  • Realizar previsão de vendas em articulação com as condições de mercado e capacidades da empresa no geral

Aplicação prática

Análise SWOT
Estas análises de cenário se dividem em:
ambiente interno (Forças e Fraquezas) - Principais aspectos, que diferencia a empresa dos seus concorrentes (decisões e níveis de performance que se pode gerir).
ambiente externo (Oportunidades e Ameaças) - Corresponde às perspectivas de evolução de mercado; Factores provenientes de mercado e meio envolvente (decisões e circunstâncias externas ao poder de decisão da empresa).
As forças e fraquezas são determinadas pela posição atual da empresa e se relacionam, quase sempre, a fatores internos. Já as oportunidades e ameaças são antecipações do futuro e estão relacionadas a fatores externos.
Ambiente Interno
Strenghts - Vantagens internas da empresa em relação às empresas concorrentes.
Weaknesses - Desvantagens internas da empresa em relação às empresas concorrentes.
Ambiente Externo
Opportunities - Aspectos positivos da envolvente com potencial de fazer crescer a vantagem competitiva da empresa.
Threats - Aspectos negativos da envolvente com potencial de comprometer a vantagem competitiva da empresa.
O ambiente interno pode ser controlado pelos dirigentes da empresa, uma vez que ele é resultado das estratégias de atuação definidas pelos próprios membros da organização. Desta forma, durante a análise, quando for percebido um ponto forte, ele deve ser ressaltado ao máximo; e quando for percebido um ponto fraco, a organização deve agir para controlá-lo ou, pelo menos, minimizar seu efeito.
Já o ambiente externo está totalmente fora do controle da organização. Mas, apesar de não poder controlá-lo, a empresa deve conhecê-lo e monitorá-lo com freqüência de forma a aproveitar as oportunidades e evitar as ameaças. Evitar ameaças nem sempre é possível, no entanto pode-se fazer um planejamento para enfrentá-las, minimizando seus efeitos.
A combinação destes dois ambientes, interno e externo, e das suas variáveis, Forças e Fraquezas; Oportunidades e Ameaças, irá facilitar a análise e a procura para tomada de decisões na definição das estratégias de negócios da empresa.
Forças e Oportunidades - Tirar o máximo partido dos pontos fortes para aproveitar ao máximo as oportunidades detectadas.
Forças e Ameaças - Tirar o máximo partido dos pontos fortes para minimizar os efeitos das ameaças detectadas.
Fraquezas e Oportunidades - Desenvolver estratégias que minimizem os efeitos negativos dos pontos fracos e que em simultâneo aproveitem as oportunidades detectadas.
Fraquezas e Ameaças - As estratégias a adotar devem minimizar ou ultrapassar os pontos fracos e, tanto quanto possível, fazer face às ameaças.

Assim utilizaremos os conceitos da analise SWOT para identificar empresas com potencial de fazer parte de nossa carteira e também monitorar tanto as situações internas quanto externas para nos sentirmos seguros como sócios dessas empresas. Destaco ainda que  essas empresas tem de apresentar um balançamento de algumas premissas como: lucro constante, apresentar crescimento, distribuição de dividendos regulares, ROE acima de 10%, marcas com potencial de valorização, necessidade dos bens, serviços e produtos para o mercado,baixo endividamento e investimento em publicidade e marketing nas empresas privadas e sociedade de economia mista.
Aliado a analise SWOT vou apresentar depois conceitos de marketing e analises psicológicas no mercado financeiro para auxiliar na decisão da composição da carteira de investimentos.
Espero ter ajudado e fico a disposição para trocarmos idéias.

sábado, 12 de janeiro de 2013

Bem sou péssimo em internet e venho acompanhando blogs de investidores a algum tempo. Meu objetivo principal é o intercambio de idéias sobre mercado financeiro, bons livros, filmes, viagens, restaurantes, esportes enfim tudo que gosto com foco no mercado financeiro. Li alguns livros interessantes como o Jeito de Investir de Peter Lynch e o Investidor Inteligente de Graham, admiro também a técnica de investimento de Fisher e com isso já dá para ter idéia de como é meu perfil de investidor, analiso muito bem as empresas focando em Lucro (ROE), gestão administrativa comcrescimento e redução de dividas, pagamento de dividendos consistentes e regulares e um dos itens que considero mais importante a MARCA e sua valorização. Marketing hoje em dia é tudo e ter marcas valorizadas e produtos conhecidos pode fazer a diferença nas empresas escolhidas nesse exato momento em que voce esta planejando ser sócio, imagine quem teve esse pensamento e escolheu por exemplo Ambev (AMBV3) no inicio dos anos 2000 e investiu 100.000 reais por exemplo, hoje esse sócio além dos dividendos teria um patrimonio de mais de 4 milhões e hoje tem 3 das 10 marcas mais valorizadas do Brasil. Outra coisa que considero bem interessante é o desenvolvimento técnológico e posto o video abaixo que disponibilizei no guiainvest para demonstrar o funcionamento do NFC, Near Field Comunications no caso a empresa Cielo que tbm tem uma das 25 marcas mais valorizadas do Brasil.

http://www.youtube.com/watch?v=_5Q53CmyIF4