sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Governança Corporativa, Governabilidade e Regulação

Ultimamente temos visto muitos problemas no Brasil e principalmente ligados a indicação politica para ocupação de postos mais técnicos em organizações públicas e privadas, desencadeando uma serie de situações negativas que afetam o sistema financeiro. O artigo que destaco a seguir, do excelente professor Sérgio Guerra da FGV discute esses problemas e acredito ser uma boa referência para as discussões e problemas que estão afetando nosso cotidiano. 

http://www.valor.com.br/opiniao/3042718/agencias-reguladoras-entre-governanca-e-governabilidade

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

CEMIG mantém concessões de 18 hidrelétricas

Cemig paga R$2,2 bi em leilão para manter 18 hidrelétricas, incluindo Três Marias
quarta-feira, 25 de novembro de 2015 11:40 BRST
[-Texto [+]

SÃO PAULO (Reuters) - A estatal mineira Cemig vai pagar 2,2 bilhões de reais para manter a concessão de 18 hidrelétricas, que somam 700 megawatts em capacidade instalada, após arrematar os empreendimentos em leilão nesta quarta-feira, no qual o governo federal ofereceu a investidores usinas cujos contratos de exploração estavam vencidos.
A Cemig já havia dito em diversas ocasiões que disputaria o certame para manter a concessão das usinas, dentre as quais a maior é Três Marias, com 396 megawatts. A companhia receberá uma receita anual de 498,7 milhões de reais para operar os empreendimentos, com deságio de 1 por cento ante o teto estabelecido para o certame. Embora CPFL Renováveis, Energisa e o Consórcio Energia Livre tenham se habilitado à disputa, apenas a Cemig apresentou lance.
(Por Luciano Costa)
fonte: http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN0TE1NU20151125

sábado, 14 de novembro de 2015

Luto por Paris

Paris foi a primeira cidade que conheci fora do Brasil, fui sempre muito bem tratado por franceses em todos os lugares que fui e admiro muito a cultura e os ideais e foi muito triste acompanhar toda essa tragédia e as 129 mortes e centenas de feridos gravemente até o momento. 

Como cidadão italiano e vendo a cidade mais visitada do mundo aterrorizada, ano passado foram 80 milhões de turistas, os países da Europa tem de repensar e endurecer a questão sobre os refugiados, a exemplo do que fizeram os húngaros pois uma das notícias recentemente destacadas é de que um dos passaportes encontrados nesse desastre foi justamente de um refugiado. Será que receber de qualquer jeito os refugiados é a solução? É esse o preço que a Europa vai pagar por acolher os refugiados?

Ao meu ver, a Europa tem de endurecer e monitorar as fronteiras, proibindo a entrada de qualquer suspeito, tomando ações mais duras para tentar resgatar a segurança na Europa. 

Que Paris e as famílias das vitimas se recuperem e que o Mundo possa ter paz e liberdade, que Deus esteja com todos nós.

sábado, 7 de novembro de 2015

Países qualificados para o Green Card

Estava olhando o programa para visto permanente nos Estados Unidos, o green card, vamos aos países qualificados abaixo:

Paises qualificados para a loteria do Green Card

Os países a seguir estão qualificados para participar na loteria deste ano

Ásia
Afghanistan, Bahrain, Bhutan, Brunei, Burma, Cambodia, Hong Kong Special Administrative Region, Indonesia, Iran, Iraq, Israel, Japan, Jordan, Kuwait, Lebanon, Malasya, Maldives, Mongolia, Nepal, North Korea, Oman, Qatar, Saudi Arabia, Singapore, Sri Lanka, Syria, Taiwan, Thailand, United Arab Emirates,Yemen, Macau S.A.R.

Países da Ásia que não se qualificam para o programa de diversidade deste ano:
China - (mainland-born), Bangladesh, India, Pakistan, South Korea, Philippines e Vietnam.
Hong Kong e , Macau S.A.R. e Taiwan estão qualificados e listados acima.


África
Algeria, Angola, Benin, Botswana, Burkina Faso, Burundi, Canieroon, Cape Verde, Central African Republic, Chad, Comoros, Congo, Democratic, Cote D'iviore (Ivory Coast), Djibouti, Egypt, Equatorial Guinea, Eritrea, Ethiopia, Gabon, Gambia, Tee, Ghana, Guinea, Guinea-Bissau, Kenya, Lesotho, Libya, Madagascar, Malawi, Mali, Mauritania, Mauritius, Morocco, Mozambique, Namibia, Niger, Nigeria, Republic Of Theliberia, Rwanda, Sao Tome And Principe, Senegal, Seychelles, Sierra Leone, Somalia, South Africa, Sudan, Swaziland, Tanzania, Togo, Tunisia, Uganda, Zambia, Zimbabwe.

Europe
Albania, Andorra, Armenia, Austria, Azerbaijan, Belarus, Belguim, Bosnia And Herzegovina, Bulgaria, Croatia, Cyprus, Czech Republic, Denmark Including Components And Dependent Areas Overseas, Estonia, Finland, France Including Components And Dependent Areas Overseas, Germany, Georgia, Slovenia, Greece, Hungary, Iceland, Ireland, Italy, Kazakstan, Kyrgyzstan, Latvia, Lichtenstein, Lithuania, Luxembourg, Macedonia the former, Malta, Moldova, Monaco, Montenegro, Netherlands Including Components And Dependent Areas Overseas, Northern Ireland, Norway, Portugal, Russia, Romania, San Marino, Serbia, Slovakia, Spain, Sweden, Switzerland, Tajikistan, Turkey, Turkmenistan, Ukraine, Uzbekistan, Vatican City, Yugoslav Republic Of

Países da Europa que não se qualificam para o programa de diversidade deste ano:
Poland, Great Britain. (United Kingdom) inclui os seguintes territórios: Anguilla, Bermuda, British Virgin Islands, Cayman Islands, Falkland Islands, Gibraltar, Montserrat, Pitcairn, St. Helena, Turks And Caicos Islands. Observe que, somente para os objetivos do programa de diversidade, a Irlanda do Norte é tratada separadamente; A Irlanda do Norte está qualificada e listada entre as áreas que se qualificam.


América do Norte
Bahamas

Na América do Norte, o Canadá não se qualifica para o programa de diversidade deste ano.


Oceania
Australia Including Components And Dependent Areas Overseas, Fiji, Kiribati, Marshall Islands, Micronesia, Federated States Of, Nauru, Newzealand Including Components And Dependent Areas Overseas, Palau, Papua New, Guinea, Solomon Islands, Tonga, Tuvalu, Vanuatu, Western Samo.


América do Sul, América Central e Caribe
Antigua And Barbuda, Honduras, Argentina, Barbados, Belize, Bolivia, Brazil, Chile, Costa Rica, Cuba, Dominica, Guatemala, Grenada, Guyan, Nicaragu, Panam, Paragua, Saint Kitts And Nevis, Saint Lucia, Saint Vincent and the Grenaadines, Suriname, The Grenadines, Trinidad And Tobago, Uruguay, Venezuela

Países que não se qualificam para o programa de diversidade deste ano:
Colombia, Dominican Republic, Ecuador, El Salvador, Haiti, Jamaica, Mexico, and Peru.

fonte: http://www.usgreencardoffice.com/br/qualifying-countries

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Artigo aprovado em congresso da USP

Nas últimas semanas entrei na reta final do mestrado e estou sem muito tempo para algumas atualizações no blog e semana passada recebi a confirmação que um artigo meu sobre governança corporativa foi aprovado e farei uma apresentação na USP e para quem é da área acadêmica sabe que não é todo dia que temos um artigo científico aprovado por uma instituição do porte da USP, ainda mais sobre um tema que gosto tanto e faz parte da minha filosofia de investimento que é uma boa governança corporativa. 

Agora passando por uma análise rápida, gostei de alguns balanços até o momento da minha carteira como da Cielo, Utrapar apesar da queda nos lucros, Marcopolo que eu pensei que daria prejuízo nesse trimestre, AMBEV dispensa comentários mas o que me decepcionou mesmo foi a Eletropaulo que quando parece que vai se ajustar, apresenta um prejuízo e ao meu ver já teve tempo suficiente para melhorar a gestão operacional e estou seriamente inclinado a zerar posição se nada for modificado em termos de melhoria de resultado para o próximo semestre. 

Quanto ao cenário econômico do país, acredito na minha estratégia e vou continuar aproveitando os descontos das empresas no Brasil e estou começando a analisar a possibilidade de começar a investir na Europa.

domingo, 25 de outubro de 2015

Programa o Sócio

Essa semana terminou a temporada do programa que mais gostava de assistir na televisão, o programa o Sócio do Marcus Lemonis na history, que costumava passar toda terça as 22.00.

Para quem não conhece, Marcus Lemonis é um empresário bem sucedido dono de uma fortuna estimada em 2 bilhões de dólares. Ele ficou famoso depois que passou a apresentar o programa americano The Profit (O Lucro, em português), transmitido no Brasil pelo canal pago History sob o nome de O Sócio.
No programa, Lemonis ajuda empresas em apuros a se reerguerem. Em geral sãopequenos negócios familiares, geridos de forma amadora. O empresário coloca seu próprio dinheiro no negócio e passa a ser sócio dos empreendedores. Com isso, é ele quem passa a dar as cartas até que a empresa se restabeleça. “Meus milhões, minhas regras”, costuma afirmar o apresentador. Quando não está salvando empresas, Lemonis chefia as companhias Camping World e Good Sam Enterprises.
O interessante no programa era o relacionamento que o Lemonis tinha com os proprietários dos negócios, onde em inúmeros episódios o conflito era constante e em alguns passava até mesmo como aconselhador emocional.
O grande paradigma que ele se fundamentava, tratava dos valores de pessoas, processo e produto e a governança corporativa era um dos principais instrumentos para avaliar e analisar o potencial de retorno das empresas.
O programa é bem interessante para sentirmos como funciona a gestão in loco de pequenos negócios e a dificuldade que várias empresas americanas passam por dificuldade de implementar uma boa gestão ou mesmo resistências à mudanças e da uma aula do que devemos fazer e do que não devemos fazer nos negócios, de problemas éticos, da visão e dos objetivos que podem ser alcançados e muito mais.
Agora fico na expectativa de uma nova temporada e seria interessante ver uma versão brasileira do Sócio.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Permissão de Trabalho no Canadá para Italianos

International Experience Canada (IEC)
Assim como o nome diz, o International Experience Canada disponibiliza a possibilidade de que jovens entre 18 e 35 (dependendo do país de nacionalidade) possa obter uma permissão de trabalho, dentro de um dos três programas disponíveis: Working Holiday Visa, Young Professionals e International Co-Op, e, assim, poder adquirir experiência laboral no Canadá.
O IEC está disponível aos países que têm um acordo de reciprocidade bilateral de mobilidade dos jovens com o Canadá. Grande parte dos países europeus está na lista, com isso, os que possuem nacionalidade de um deles, quando o programa está disponível (aplicações limitadas) poderão aplicar.
*Lembre-se existem outros requerimentos a serem respeitados, além de somente possuir a cidadania de um desses países.
Veja na lista abaixo quais são estes países e os programas a eles disponibilizados:
IEC_lista

fonte: http://www.immi-canada.com/blog/passaporte-europeu-quais-vantagens/

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Passaporte Italiano

Apesar da derrota da Itália contra a Lituânia no Basket, aliás esse é um dos esportes que mais amo no mundo e recentemente fui agraciado no sorteio das olimpíadas e vou realizar mais um sonho que é assistir uma final olímpica de Basket mas o assunto aqui é outro.

Hoje realizei mais um sonho, tenho enfim meu passaporte italiano depois de 14 meses da entrada do processo em Roma, estou impressionado com toda rapidez e também muito feliz.

Agradeço em especial ao meu querido avô, que me deu as indicações e contou toda a história dos imigrantes da nossa família e a principal lição que ele me deu é que tudo é possível nessa vida, sonhe e faça as coisas acontecerem e de fato venho fazendo isso e vem dando super certo. 

Como recebo muitas perguntas sobre cidadania italiana e consegui atingir o objetivo em um prazo bem interessante, pretendo fazer um livro sobre todo os passos que dei até o passaporte e com isso ajudar milhares de italianos que ainda não tem sua cidadania reconhecida na América do Sul. 

Abaixo a foto do lindo passaporte europeu


domingo, 13 de setembro de 2015

Clube dos Países Triplo A para Investimento

Hoje estava lendo uma matéria sobre a perda do grau de investimento do Brasil e me deparei com uma lista de um clube de países que fazem parte do topo de credibilidade e segurança para investimentos.

A grande surpresa para mim é que os Estados Unidos não estão nessa lista, temos 8 países europeus, 2 países asiáticos, 1 norte americano e 1 da oceania e vamos a lista:

Australia
  1. Canada
  2. Denmark
  3. Germany
  4. Luxembourg
  5. Norway
  6. Singapore
  7. Sweden
  8. Switzerland
  9. Reino Unido
  10. Liechtenstein
  11. Hong Kong

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Final Italiana no US Open

Hoje tivemos uma das maiores vitórias do tenis italiano dos últimos anos, Roberta Vinci venceu por 2 sets a 1 a melhor tenista de todos os tempos, Serena Williams e na casa dela, no US Open em Nova York. Com esse feito, teremos uma final inédita italiana no Grand Slam americano, Flavia Pennetta x Roberta Vinci, realmente impressionante, o que essas duas italianas fizeram.





Na entrevista final, o americano ainda informou que no banco de apostas, estava 300 para a tenista italiana contra 1 para a americana, quem apostou na italiana deve estar rindo a toa em Nova York nesse momento.

domingo, 6 de setembro de 2015

Oportunidades na crise

Minha estratégia para essa crise é a mesma estratégia, continuar aportando e aproveitando as oportunidades que vão surgindo e destaco 3 empresas que vou direcionar os aportes:

1 - BBAS3 - Só a participação em Cielo, BB seguridade e imóveis do Banco do Brasil já ultrapassam o valor atual de mercado, o que já demonstra uma boa oportunidade para acumular e colher frutos no futuro próximo.

2 - CMIG3 - A empresa vem sofrendo mas mantendo os lucros, tem grande participação na TAESA e um excelente portfólio de empresas, perdeu as concessões mas vai poder concorrer ou procurar novas alternativas para substituição dessas geradoras. 

3 - ITUB3 - Com essa queda e pode vir mais queda, vai nascendo mais uma interessante oportunidade para um dos maiores e melhores bancos privados da América Latina. 

Nesse mês de agosto tive perda na rentabilidade de 17% e não acredito em recuperação tão cedo do mercado por conta da crise que o país esta passando. Isso é ruim? Acredito que toda crise abre boas oportunidades para acumulação e enquanto durar a crise, vou fazendo o trabalho de formiga. 

sábado, 22 de agosto de 2015

Vivere e lavorare in Svizerra per cittadino italiano

La guida per vivere e lavorare in Svizzera

Una guida pratica per poter vivere e lavorare in Svizzera: documenti necessari, conoscenza delle lingue, permessi di dimora, consigli e siti web di offerte per trovare lavoro in territorio elvetico. Vantaggi e svantaggi di vivere in questo paese.
Sempre più italiani sognano di andare a vivere in Svizzera, un paese poco distante dai confini italiani ma che non conosce crisi. Una qualità della vita più alta, stipendi adeguati e bassa disoccupazione fanno di questa nazione una possibile alternativa per chi vuole veramente cambiare vita. E decidere di trasferirsi in Svizzera e trovare lavoro non è nemmeno difficile come sembra.

Lingue parlata in Svizzera

Le lingue parlate in Svizzera sono 4: italiano, francese, tedesco e romancio. Se non conosci francese o tedesco, puoi concentrare la tua ricerca di lavoro in Canton Ticino, la regione della Svizzera dove viene parlato l’italiano. Se la tua conoscenza delle altre lingue è buona, puoi allargare la tua ricerca anche agli altri cantoni. La conoscenza dell’inglese è richiesta per aziende che operano in ambito internazionale, ma non necessaria nella maggior parte dei casi.

Documenti necessari per lavorare in Svizzera

Tutti gli italiani, in quanto cittadini dell’Unione Europea, possono infatti vivere e lavorare in Svizzera senza dover richiedere complicati permessi o visti particolari. Bisogna comunque richiedere un permesso di soggiorno all’ufficio di migrazione, entro 14 giorni dal tuo arrivo in Svizzera, semplicemente presentando la tua carta d’identità o un passaparto valido, una copia del tuo contratto di locazione e una fotografia formato passaporto, oltre ad una copia del contratto di lavoro.

Permessi di dimora in Svizzera

A seconda delle tue esigenze, ci sono diversi permessi di dimora:
permesso L SvizzeraPermesso L: Le persone che hanno intenzione di vivere in Svizzera per un periodo di tempo solitamente inferiore ad un anno, possono richiedere il permesso di tipo L. Per ottenere questo tipo di permesso è necessario dimostrare un rapporto lavorativo con un datore di lavoro svizzero, presentando una copia di un contratto di lavoro della durata compresa tra tre mesi e un anno. I rapporti di lavoro inferiori a tre mesi non necessitano di un permesso, ma in questo caso le condizioni di soggiorno sono regolate tramite una procedura di notifica.


permesso B Svizzera
Permesso B: Permesso adatto per chi è intenzionato a soggiornare in Svizzera per lunghi periodi. Il permesso di dimora di tipo B ha una durata di 5 anni e viene rilasciato nel caso si possa dimostrare di avere un contratto di lavoro svizzero di almeno 365 giorni, o meglio ancora a tempo indeterminato. Ogni 5 anni questo permesso può essere prolungato se esistono le stesse condizioni iniziali. In caso l’interessato è disoccupato da oltre 12 mesi consecutivi, la prima proroga può essere limitata ad un anno.


permesso C Svizzera
Permesso C: Il permesso di tipo C è un permesso di domicilio che viene rilasciato dopo 5 o 10 anni di dimora in Svizzera. La Segreteria di Stato della migrazione (SEM) stabilisce la data a partire dalla quale le autorità cantonali possono rilasciare il permesso di domicilio. Si tratta inoltre di un permesso illimitato e senza particolari condizioni e i cittadini dell’Unione Europea possono ottenere il permesso C dopo una dimora regolare e ininterrotta di cinque anni secondo gli accordi di domicilio e di considerazioni di reciprocità.


permesso G Svizzera
Permesso G: Il permesso di tipo G è dedicato ai frontalieri, cioè stranieri che risiedono in zone di confine (Como, Varese etc), ed esercitano un’attività lucrativa in Svizzera (compreso un lavoro da dipendenti). I frontalieri sono tenuti a rientrare almeno una volta alla settimana presso il proprio domicilio all’estero e beneficiano della mobilità geografica e professionale all’interno dell’intera zona di frontiera della Svizzera. Il permesso per frontalieri di tipo C è valevole per cinque anni purché sia presente un contratto di lavoro di durata indeterminata o superiore ad un anno.

Come cercare lavoro in Svizzera

Il primo passo per poter lavorare in Svizzera è sicuramente quello di effettuare delle ricerche su Internet per capire effettivamente la richiesta lavorativa a seconda delle posizioni. Sono numerose le offerte di lavoro presenti sul web e non sarà difficile iniziare a rispondere a diversi annunci prima di decidere di trasferirsi.
Tra i portali più conosciuti e con offerte di lavoro in tutti i settori, prova a effettuare le tue ricerche questi siti di annunci lavorativi svizzeri:
Per sapere inoltre quanto potresti guadagnare con un lavoro in Svizzera, puoi usare questo calcolatore messo a disposizione dall’ Unione Sindacale Svizzera. Dovrai inserire alcune informazioni sulla tua professione, l’età, il livello di esperienza per ricevere un riassunto del salario mensile lordo (in CHF, franchi svizzeri) in base alla regione o al cantone che avrai scelto per lavorare in Svizzera.

Svantaggi di vivere in Svizzera

Il costo della vita in Svizzera è molto alto e quattro delle dieci città più costose al mondo appartengono a questo paese. Sicuramente la qualità della vita è superiore in città come Ginevra, ma il costo degli affitti è quasi proibitivo senza uno stipendio adeguato. In Europa la Svizzera è la quarta nazione più cara dopo Norvegia, Danimarca e Finlandia.
Inoltre in alcuni cantoni, principalmente nel Canton Ticino, gli stranieri e soprattutto gli italiani non sono visti molto bene visto il numero eccessivo di frontalieri che ogni anno cercano fortuna e lavoro in Svizzera.
Ti consiglio di pianificare nei minimi dettagli un trasferimento in questo paese per riuscire a vivere e lavorare in Svizzera senza problemi. Non buttarti a capofitto ma utilizza Internet per valutare bene tuttigli aspetti di un trasferimento. Se hai domande puoi scrivermi nei commenti. In bocca al lupo!
fonte: http://www.cambiarevita.eu/vivere-all-estero/vivere-e-lavorare-in-svizzera

terça-feira, 21 de julho de 2015

Vídeo em homenagem aos traders e a grande OGX

O vídeo é muito engraçado e talvez alguns possam se identificar, chorei de rir quando assisti.
Também é interessante entender a mensagem do que não se deve fazer e vemos muita gente que faz e prega o que o cara do vídeo faz.




domingo, 5 de julho de 2015

Certidão de Nascimento Italiana e Inscrição AIRE

Depois de pouco mais de 50 dias, recebi da minha advogada a certidão italiana da Comune da região do Veneto, que diga-se de passagem é uma região muito dificil de conseguir qualquer coisa relacionada a cidadania. 

Com a transcrição e a certidão efetuada já posso gozar dos direitos e também dos deveres e um desses deveres é a inscrição no AIRE, que nada mais é do que você fazer o registro no consulado da sua residência atual, que no meu caso é o consulado do Rio de Janeiro. 

Você pode fazer a inscrição pessoalmente ou enviar um e-mail para o anagrafe italiano anexado em pdf os seguintes documentos:

NASCIDOS NO BRASIL CUJA CIDADANIA ITALIANA FOI RECONHECIDA EM OUTRO PAIS:
(os interessados deverão fornecer os dados do processo e da instituição onde a cidadania foi reconhecida e a inscrição no AIRE poderá será finalizada após a confirmação da cidadania por parte da Instituição responsavel).

a) carteira de identidade brasileira
b) se for em posse: passaporte brasileiro / passaporte italiano
c) um comprovante de residência.
O pedido de inscrição poderá ser encaminhado também através do seguinte endereço de correio electronicoanagrafe.riodejaneiro@esteri.it anexando oFormulário para Inscr. / Atualização no AIRE, corretamente preenchido e assinado e os outros documentos requeridos. OBS: do passaporte italiano ou brasileiro é suficiente anexar as primerias 2/3 paginas.ATENÇÃO: NÃO SERÃO ACEITOS PEDIDOS INCOMPLETOS OU NÃO ASSINADOS.

quinta-feira, 4 de junho de 2015

10 Países com melhor qualidade de vida no Mundo

A organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou esta semana o resultado de um levantamento com os melhores países para viver no mundo. A pesquisa levou em conta os indicadores econômicos não medem a qualidade de vida da população. O objetivo declarado é ajudar os países a traçar políticas para o desenvolvimento. O estudo levou em conta 11 critérios que considera essenciais para uma vida feliz. 


1) Austrália:  país manteve a primeira posição na pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que elege os países com maior qualidade de vida, seguindo 11 diferentes critérios que considera essenciais para uma vida feliz.

2) Suécia: o país ultrapassou a Noruega e alcançou o segundo lugar. Ele está no topo em qualidade do meio ambiente, equilíbrio entre trabalho e lazer, satisfação com a vida, saúde e educação.

3) Noruega: país caiu da segunda para a terceira posição no ranking da OCDE. 

4)Suíça: está em quarto no ranking geral, mas está perto do topo no que diz respeito a empregos, saúde e satisfação com a vida. Tem a segunda maior renda por domicílio, de acordo com o índice. Só fica atrás dos Estados Unidos.

5) Dinamarca: em quinto lugar na lista detém o recorde de equilíbrio entre trabalho e lazer e felicidade em geral. Os dinamarqueses também estão mais satisfeitos com a própria vida que a média dos países analisados.

6) Canadá: país aparece em sexto lugar a partir dos indicadores da pesquisa feita pela organização. Pelas métricas, o Canadá está em sexto, com notas acima da média em todos os quesitos.

7)Estados Unidos: no ranking da OCDE, os Estados Unidos estão no topo em renda e moradia, mas é apenas mediano em educação, meio ambiente, segurança e equilíbro entre trabalho e lazer. No total, aparece em sétimo.

8) Nova Zelândia: os moradores da Nova Zelândia são os mais saudáveis do mundo desenvolvido, com 90% dos entrevistados afirmando estar em boas condições de saúde. No país, que ficou em oitavo, as pessoas vivem em média até os 82 anos.

9)Islândia: em nona posição na pesquisa, a Islândia conta com baixa taxa de desemprego, bom nível de renda e trabalhadores com estabilidade no emprego.

10)Finlândia: o país está em décimo lugar, mas ocupa o topo do ranking no que diz respeito a educação da população, um indicador que está entre os mais valorizados pela OCDE.
fonte: OCDE

domingo, 3 de maio de 2015

VASCO CAMPEÃO CARIOCA 2015!

Depois de 12 anos ou seja, desde o campeonato da letra do Léo Lima de 2003 que o Vasco não era campeão estadual, foram anos perdendo titulo com gol de impedimento aos 47 do segundo tempo, gols que entraram e o juiz de linha mesmo com a bola lá dentro, como aconteceu diversas vezes ano passado não deu o gol, enfim no último titulo de 2003 ainda estava na faculdade e 12 anos depois o primeiro titulo no Maracanã depois da Final do Mundial é muita emoção.

Só quem aprecia esportes e passa por um longo jejum desses pode entender a felicidade do dia de hoje, agora é esquecer essa fase com o Dinamite onde o Vasco fora de campo foi prejudicado inúmeras vezes e partir para conquistas maiores a exemplo do seu passado glorioso. 



domingo, 12 de abril de 2015

Barsi e a Eletrobras dois anos depois de comprar de pá

Em maio de 2013 Barsi fez a seguinte declaração:

 A maioria das empresas do setor de energia era negociada por mais do que o valor patrimonial, com exceção da Eletrobras. Aí veio a pres. Dilma e baixou o preço da energia sem consultar ninguém. Muitas empresas de energia passaram a ser negociadas por bem menos que o valor patrimonial. Eu fui á e comprei. Ao invés de fugirem do setor elétrico como fizeram, todos deveriam ter comprado mais. Eu comprei Eletropaulo e Eletrobras ON por causa de fatores técnicos, dados históricos e um retorno em dividendos mais interessante. Os outros fugiram por uma questão psicológica. Teve aquele analista do Barclays que disse que o preço justo da ação da Eletrobras era R$ 1,00. Eu estava rezando para que fosse a R$ 2,00, mas infelizmente não foi. Quando chegou a R$ 6,00, eu e muita gente compramos. Numa situação como essa, tem que ir lá e compra com a pá. Como toda a estrutura que possui, a Eletrobras chegou a ter um valor de mercado de R$ 12 bilhões, sendo que só a usina de Belo Monte vai custar R$ 25 bilhões. Então é ridículo o preço que se atribui a ela." 



Em abril de 2015:

A decisão da Eletrobras de suspender o pagamento de dividendos este ano provocou forte insatisfação dos minoritários da Eletrobrás, que ameaçam questionar a empresa na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) alegando má gestão. A empresa informou esta semana que, após registrar o terceiro ano seguido de prejuízo, não irá pagar dividendos nem juros sobre capital (JCP) aos seus acionistas este ano. A informação foi recebida com muito descontentamento pelos minoritários, que estão em conversação com advogados para moverem uma ação por má gestão.

De acordo com o Luiz Barsi Filho, um dos acionistas da Eletrobras e um dos maiores investidores pessoa física da Bovespa, os minoritários precisam reagir às decisões equivocadas que estão sendo tomadas pela empresa. “Não podemos, de maneira alguma, assistir toda esta incompetência que estamos vendo, acenando a cabeça com um sim. Nós temos direito a dividendos e estamos conversando com advogados sobre a possibilidade de entrar com um ação contra a má gestão da companhia junto a CVM”, diz.

Para Barsi Filho, a má administração pode ser intencional para justificar a antecipação de indenização junto a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). “A impressão que tenho é que fizeram o máximo para depreciar o balanço para justificar o pedido de mais de R$ 15 bilhões junto a Aneel”, diz. 


sexta-feira, 6 de março de 2015

Visto Americano para Italianos

Outra grande vantagens para os cidadãos italianos é sobre os vistos americanos de investidores e que estão limitados a alguns países por acordos comercias e abaixo uma matéria muito interessante falando sobre todos esses aspectos. Enfim a cidadania italiana abre portas não só na Europa mas nos Estados Unidos e Canadá, mostrando ser um grande investimentos para os descendentes que correm atras de regularizar a cidadania.

Vistos para Comerciantes & Investidores (Visas E1, E2)
Os vistos para Comerciantes e Investidores oferecem aos nativos dos países que fazem parte do Tratado de Comércio com os Estados Unidos (* ver em baixo a lista dos países) a oportunidade de trabalhar, dirigir e controlar um negócio que tenham estabelecido nos Estados Unidos.
Trata-se de um visto temporário ou de não- imigrante, e o Comerciante ou Investidor poderá renovar seu visto por um longo período enquanto a empresa estiver em operações. Destarte, devido a uma recente modificação na lei, as esposas de um Comerciante ou Investidor podem obter autorização de trabalho enquanto o “beneficiário principal” mantiver o seu status.
Um visto E-2 exige um investimento médio de US$100,000 a US$150,000. Já um investidor imigrante, e sob a categoria de investidor EB-5 (Green Card) deverá fazer um investimento de ao menos US$500,000 em um negócio novo, que deverá gerar no mínimo de 10 novos empregos de tempo integral.
Outra opção para investidores é visto categoria L-1. Mas, só após uma análise detalhada da situação que o cliente se encontra e do caso concreto é que se poderá determinar com certeza qual categoria de vistos de Investidor o cliente se enquadra. Esta análise deverá ser realizada por um advogado de imigração com experiência.
FAQ (Perguntas mais Frequentes)


  1. Como me qualifico como Comerciante para um visa E-1?
  1. Como me classifico como Comerciante para um visa E-2?
  1. A empresa comercial já deve existir e/ou o investimento deve ser feito antes da emissão do visto? No geral, é permitido abir um novo negócio?
  1. O que é uma quantia substancial?
  1. As “joint ventures” são permitidas?
  1. Quanto tempo pode um Comerciante ou Investidor permanecer nos Estados Unidos?
  1. Onde devo realizar o requerimento para o visto E-2/E-1?
  1. A esposa e filhos do requerente tem direito a vistos derivativos?
  1. A esposa de um detentor de visa E pode trabalhar? Os filhos dependentes E-2 podem estudar?
  1. Quais as nacionalidades que se qualificam para os vistos E?
  • O requerente tem de ser nativo do país com tratado de comércio.
  • O comércio internacional deve ser “substancial”; deve existir um volume comercial sustentável e contínuo.
  • O comércio deve se realizar principalmente entre os Estados Unidos e o país comerciante. Isso significa que mais de 50% do comércio internacional da empresa envolvida deverá ser entre os Estados Unidos e o país da nacionalidade do requerente.
  • Comércio significa a troca internacional de produtos, capitais, serviços ou tecnologia. O título dos itens tem de passar de um país para o outro.
  • O requerente deve estar empregado como diretor ou com capacidade executiva, ou possuir capacidade altamente especializada, essencial para a operação da empresa.
  • O investimento deve ser substancial, ou seja, suficiente para assegurar uma operação de sucesso da empresa. A porcentagem do investimento para uma empresa de baixo custo deve ser superior à porcentagem do investimento em uma empresa de alto custo.
  • O investimento deverá ser real e não especulativo.
  • O investimento não pode ser marginal. Tem de gerar rendimento significativamente maior que o necessário para manter o nível de vida do investidor e sua família ou deve ter um impacto econômico significativo nos Estados Unidos.
  • O investidor deve possuir o controle dos fundos e o investimento deve ser de risco, no sentido comercial. Empréstimos com garantias em relação ao ativo da empresa não serão contabilizados.
  • Um investidor deve vir para os Estados Unidos para desenvolver e dirigir a empresa. Se o requerente não for o investidor, este terá que estar empregado como diretor, executivo ou deverá possuir capacidade altamente especializada.


O termo “comércio” está definido para incluir as relações comerciais de produtos e comércio de serviços e tecnologia. Isto inclui bancos, seguros, transportes, turismo, comunicações, processamento de dados, publicidade, contabilidade, desenho e engenharia, consultoria de gestão, transferência de tecnologia e outros serviços mensuráveis que podem ser comercializados.
Sim. Você deve criar um novo negócio. Porém, para obter um E-2 ou E-1, você deve demonstrar que irá efetuar um investimento substancial ou que já o realizou. O negócio já deve estar estabelecido no momento do requerimento para o visto. Os investimentos, porém, podem ser futuros, desde que os fundos estejam irrevogavelmente ligados ao investimento, tal como numa conta paralisada apenas aguardando a  emissão do visto. Os fundos de investimento podem provir de outro país, incluindo os Estados Unidos, enquanto forem controlados pelo investidor requerente.
Note que o simples depósito do dinheiro em uma conta bancária e a apresentação do plano do negócio, normalmente não são suficientes para obtenção do visto.
Não existe um valor fixo o qual é considerado como “substancial”. Um valor substancial de capital constitui aquela soma, que é suficientemente ampla para assegurar o comprotimento financeiro do investidor para uma operação de sucesso da empresa calculado por meio de um cálculo de proporcionalidade. O teste de proporcionalidade compara a soma total investida na empresa com o custo do estabelecimento de uma empresa desta natureza ou a soma do capital necessário para comprar uma empresa já existente no mercado.
Normalmente será necessário um investimento mínimo de US$100.000,00, se bem que este valor pode ser reduzido no caso de um determinado negócio não exija tamanho investimento. Um investimento absolutamente mínimo esta entre US$50.000,00 e US$75.000,00, spara este tipo de negócio.
Cumpre ressaltar que são diversas Embaixadas Americanas que processam requerimentos E-2, e as mesmas parecem ter idéias diferentes do que deverá ser considerado um investimento substancial. Algumas preferem que haja um investimento mínimo de US$150,000 então o investidor deverá consultar um de nossos advgogados para se certificar se o investimento hora efetuado será suficiente para efeito de requisição de visto E.
Sim, desde que o investidor tenha o papel de “desenvolver e gerenciar” a empresa. O requerente deve estar em posição de controle da empresa através da posse de pelo menos 50% da empresa através de seu contrato social.
O requerente deverá ter o intuito de deixar os Estados Unidos após conclusão de suas atividades comerciais. Não obstante, os detentores de um visto E podem residir nos Estados Unidos enquanto preencherem os requisitos do visto E. Assim, uma estadia de prazo potencialmente indefinido é possível.
Tipicamente o requerente deverá requere-lo perante uma Embaixada dos Estados Unidos no país de sua nacionalidade ou onde possuem residência legal. É possível também obter um status E-2 ou E-1, nos serviços USCIS nos Estados Unidos para quem queira mudar seu status e já esteja em território americano, o que não é normalmente aconselhável pois, se o requerente deixar os Estados Unidos, terá a necessidade de submeter seu requerimento por escrito novamente na Embaixada local. A Embaixada dos Estados Unidos não considera a aprovação na mudança do status E-2. Isto é uma particulariedade no processo E-2/E-1.
Sim. A esposa e filhos com idade inferior a 21 anos se qualificam para os vistos derivativos do visto E fundamentados na qualificação do requerente principal. Não é necessário que tenham a mesma nacionalidade do detentor principal.
Sim. No seguimento de mudanças recentes na lei, a esposa dependente do visa E também tem permissão de trabalho nos Estados Unidos. Contudo, devem se inscrever para obter a autorização de trabalho quando chegarem aos Estados Unidos. Os filhos menores dos detentores do visa E também podem frequentar a escola sem necessidade de obter visto de estudante.
Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Bósnia_Herzegovina, Canada, Chile, China, Colômbia, Costa Rica, Estónia, Etiópia, Filandia, França, Geórgia, Alemanha, Honduras, Irão, Irlanda, Itália, Jamaica, Japão, Jordânia, Coreia, Libéria, Eslováquia, Luxemburgo, Macedónia, México, Holanda, Noruega, Oman, Paquistão, Paraguiai, Filipinas, Eslovénia, Espanha, Sri Lanka, Suriname, Suécia, Suíça, Tailândia, Togo, Turquia, Reino Unido, Jugoslávia.
Bolívia, Brunei, Dinamarca, Grécia, Israel
Albânia, Arménia, Bangladesh, Bulgária, Camarões, Republica democrática do Congo, Republica do Congo, Republica Checa, Equador, Egipto, Grenada, Cazaquistão, Kyrdyzstan, Lituânia, Moldávia, Mongólia, Marrocos, Panamá, Polónia, Roménia, Senegal, Republica Eslovaca, Trinidad & Tobago, Tunísia., Ucrânia.


fonte: http://vistos-americanos.com/vistos-E2.html

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Conta de luz pode subir até 70% no Rio e em SP

Conta de luz pode subir até 70% no Rio e em SP e a Eletropaulo será que vai se recuperar? 

Conta de luz pode subir até 70% no Rio e em SP
Consumidores se adaptam para driblar alta de tarifas
POR BRUNO ROSA E ANDREA FREITAS
22/02/2015 6:00 / ATUALIZADO 22/02/2015 11:35
PUBLICIDADE


RIO - As contas de luz espantaram o consumidor este mês. Além do aumento do consumo por causa do uso do ar-condicionado para enfrentar o verão, a cobrança já inclui a bandeira tarifária, que gera um custo extra de R$ 0,03 a cada quilowatt-hora (kWh) consumido. E o valor a ser pago em fevereiro é apenas o presságio de um cenário ainda pior até o fim do ano. De acordo com consultorias do setor, quem mora no Rio de Janeiro e em São Paulo vai sofrer com uma alta de até 70% na conta da energia elétrica até dezembro. A estimativa é quase três vezes maior do que a projetada no último trimestre do ano passado, quando especialistas falavam em preços 25% mais salgados em 2015. Além da falta de chuvas e do uso da energia mais cara das termelétricas, o Sudeste vai arcar ainda com a tarifa maior de Itaipu, diante da forte alta do dólar.

VEJA TAMBÉM
INFOGRÁFICO O que verificar na fatura de luz
Alta da energia elétrica será vilã da meta de inflação este ano
Reduzir consumo será mais difícil que em 2001
Este mês, as contas no Rio já chegaram mais caras, com o reflexo do reajuste da Light, de 19,11% em novembro, e da implantação do sistema de bandeiras tarifárias, que começou a valer este ano e repassa ao consumidor o aumento no custo na geração de energia. Desde janeiro, foi adotada a bandeira vermelha, que indica um custo mais alto devido ao baixo volume de chuvas. A fatura de fevereiro já reflete esta cobrança integralmente. Por isso, o susto ao receber a conta de luz. Aos consumidores, a alternativa foi mudar hábitos para driblar os preços mais elevados.

AR-CONDICIONADO NO SHOPPING

É o que fizeram Karoline Cabral e Leonardo Spinola. O casal mora em um apartamento de dois quartos em Botafogo e passa o dia fora de casa, trabalhando. O susto foi grande quando a conta mais do que quintuplicou, saltando de R$ 53,68 em dezembro para R$ 291,58 em janeiro.

— Em janeiro, ligamos o ar uns 15 dias, à noite. Geralmente, minha conta custa R$ 40, R$ 60. Esperava pagar até R$ 200 por causa do ar. Mas a conta foi de R$ 291,58! Agora, a gente tem que pensar muito antes de ligá-lo. No nosso apartamento, bate sol da tarde. No fim de semana, vamos ao shopping, ao cinema, a lugares climatizados, saímos de casa para não ligar o ar — conta Karoline.

Nesse cenário, mesmo quem não tem o hábito de verificar o extrato mensal da conta de luz se assustou com o valor pago. Nas redes sociais, são frequentes as reclamações sobre o aumento do preço. Em geral, as pessoas sabem que a luz está mais cara, mas não entendem a cobrança e desconhecem a bandeira tarifária. E para gastar menos vale tudo: colocar a família para dormir num só quarto e ligar apenas um ar-condicionado, reduzir o uso do ferro elétrico e da máquina de lavar, trocar lâmpadas e até tomar banho frio.


A artesã Flavia Tadic mora com a irmã e a filha de 6 anos em uma casa de três quartos no Recreio. E nunca verificava a conta. Mas ficou chocada ao notar que a cobrança em débito automático passou de R$ 470,54 em janeiro para R$ 825,02 em fevereiro. Para evitar que a próxima conta seja tão alta, Flavia, que trabalha em casa, já mudou alguns hábitos. Mas acha que não há como reduzir muito mais:

— Antes, trabalhava com o ar-condicionado ligado. Agora, comprei um ventilador do tipo torre. Todas as luzes são fluorescentes ou de LED, as da parte externa só acendem quando está escuro. A roupa era passada três vezes por semana, agora, só uma. Mas não abro mão do ar-condicionado para dormir. Já mudei o que podia mudar. Acho que a única coisa que dá para fazer é desligar um boiler.

Flavia ressalta que os aumentos sucessivos, como a inclusão da bandeira tarifária e sua rápida elevação, dificultam o controle do consumo e a mudança de hábitos, já que a conta continua subindo.

PUBLICIDADE


A conta de luz do ator Gerson Ferreira, que geralmente é de R$ 400, ultrapassou R$ 800 em janeiro. Além de reduzir o uso do ar-condicionado, ele, a mãe e os dois irmãos descartaram um dos dois interruptores da sala, diminuindo o número de lâmpadas utilizadas. Também abriram mão do banho quente e diminuíram o uso da bomba da piscina.

Mas a forte alta na fatura de energia já verificada pelos consumidores é só o começo. O reajuste concedido às empresas nos últimos meses e a implantação do sistema de bandeiras tarifárias não foram suficientes para cobrir o rombo das distribuidoras, dizem as consultorias Safira, Thymos e Andrade & Canellas. Por isso, a partir do próximo mês, o valor da bandeira tarifária passará de R$ 0,03 para R$ 0,055 por kWh consumido. Na próxima semana, o governo vai definir os valores de reajustes extraordinários a serem concedidos às empresas e que devem começar a valer em março. Especialistas acreditam que o aumento extra será de, ao menos, 20%.

— Somando esses fatores, consumidores de estados da Região Sudeste, como Rio e São Paulo, terão um aumento até o fim deste ano entre 60% e 70% nas contas de luz em relação ao fim de 2014. No Brasil, a alta média deve oscilar de 45% a 50%. O Sudeste vai sofrer impacto maior porque, além da falta de chuvas e da geração de energia mais cara das termelétricas, a região recebe energia da usina de Itaipu, que, por causa da alta do dólar, teve aumento de 46% na tarifa no mês passado. Enquanto isso, a demanda por energia continua elevada, sobretudo, entre consumidores residenciais e comerciais — diz Ricardo Savoia, diretor da Thymos Energia.

FAIXA DE CONSUMO AFETA PREÇOS

Andre Crisafulli, presidente da Andrade & Canellas Energia, também reforça que o preço da eletricidade em Rio e São Paulo subirá entre 60% e 70% no ano. Ele diz que, apesar do aumento da energia que vem de Itaipu ser um agravante, a alta de 83% no valor da bandeira tarifária será mais prejudicial.

VEJA TAMBÉM
Você pergunta, nós respondemos: crise energética
Como driblar a alta da tarifa de energia
INFOGRÁFICO O caminho para poupar quase 50% por mês
Um atraso de R$ 4,9 bi: consumidor paga por energia de linha que não é usada
— Em relação aos reajustes extraordinários, vamos ter que aguardar como será feito o repasse desses aumentos. O governo deve informar os detalhes apenas na próxima semana. Na atual situação do setor elétrico, não há mais mecanismo que não seja repassar as altas para as tarifas, já que o governo não fará mais aportes via Tesouro — diz Crisafulli.

Segundo especialistas, o total do socorro às empresas do setor já chegou a cerca de R$ 60 bilhões. Desse montante, diz o presidente da Andrade & Canellas, R$ 40 bilhões serão repassados às tarifas.

— Na média, os aumentos no país ficarão perto de 50%. Sem chuvas em um volume suficiente, 100% das termelétricas continuarão gerando energia mais cara até 2016. O governo já deveria ter pedido à população para economizar, com campanhas de conscientização — ressalta Crisafulli.

Especialistas recomendam que o consumidor verifique mensalmente a conta. Acompanhar a evolução do preço unitário do kWh ajuda a identificar a alta do custo da eletricidade. Ficar atento à faixa de consumo é importante, pois ao mudar de patamar, a alíquota de ICMS a ser paga muda, varia de isenção a 29%. No Rio, a contribuição de iluminação pública também aumenta conforme o consumo.

— É preciso que o consumidor pare para pensar no próprio consumo. O ferro de passar e o chuveiro elétrico ainda são vilões — destaca a diretora de comunicação da Ampla, Janaina Vilella.

PUBLICIDADE


Fábio Cuberos, gerente de Regulação da Safira, diz que parte dos aumentos, além dos já previstos para este ano, é reflexo de erros cometidos em 2014, como adiamento da aplicação das bandeiras tarifárias, que entrariam em vigor em janeiro do ano passado, e empréstimos às concessionárias, que já enfrentavam problemas de caixa por causa do custo das termelétricas e da energia no mercado livre.

— A bandeira tarifária, criada em 2013, levou em conta um cenário que piorou no ano passado. O governo teve que rever o valor das bandeiras. Com a revisão extraordinária das tarifas, as estimativas mudaram — diz Cuberos, destacando que prevê alta de 54,7% nos preços de energia no Sudeste.

Enquanto as projeções de alta da tarifa disparam e o consumidor tenta driblar o aumento da conta de luz, o nível dos reservatórios de hidrelétricas continua baixo, segundo o Operador Nacional do Sistema: 19,17% em Sudeste/Centro-Oeste, 16,65% no Nordeste, 48,45% no Sul e 36,97% no Norte.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/conta- ... z3SUFh0UBJ 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.