domingo, 12 de abril de 2015

Barsi e a Eletrobras dois anos depois de comprar de pá

Em maio de 2013 Barsi fez a seguinte declaração:

 A maioria das empresas do setor de energia era negociada por mais do que o valor patrimonial, com exceção da Eletrobras. Aí veio a pres. Dilma e baixou o preço da energia sem consultar ninguém. Muitas empresas de energia passaram a ser negociadas por bem menos que o valor patrimonial. Eu fui á e comprei. Ao invés de fugirem do setor elétrico como fizeram, todos deveriam ter comprado mais. Eu comprei Eletropaulo e Eletrobras ON por causa de fatores técnicos, dados históricos e um retorno em dividendos mais interessante. Os outros fugiram por uma questão psicológica. Teve aquele analista do Barclays que disse que o preço justo da ação da Eletrobras era R$ 1,00. Eu estava rezando para que fosse a R$ 2,00, mas infelizmente não foi. Quando chegou a R$ 6,00, eu e muita gente compramos. Numa situação como essa, tem que ir lá e compra com a pá. Como toda a estrutura que possui, a Eletrobras chegou a ter um valor de mercado de R$ 12 bilhões, sendo que só a usina de Belo Monte vai custar R$ 25 bilhões. Então é ridículo o preço que se atribui a ela." 



Em abril de 2015:

A decisão da Eletrobras de suspender o pagamento de dividendos este ano provocou forte insatisfação dos minoritários da Eletrobrás, que ameaçam questionar a empresa na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) alegando má gestão. A empresa informou esta semana que, após registrar o terceiro ano seguido de prejuízo, não irá pagar dividendos nem juros sobre capital (JCP) aos seus acionistas este ano. A informação foi recebida com muito descontentamento pelos minoritários, que estão em conversação com advogados para moverem uma ação por má gestão.

De acordo com o Luiz Barsi Filho, um dos acionistas da Eletrobras e um dos maiores investidores pessoa física da Bovespa, os minoritários precisam reagir às decisões equivocadas que estão sendo tomadas pela empresa. “Não podemos, de maneira alguma, assistir toda esta incompetência que estamos vendo, acenando a cabeça com um sim. Nós temos direito a dividendos e estamos conversando com advogados sobre a possibilidade de entrar com um ação contra a má gestão da companhia junto a CVM”, diz.

Para Barsi Filho, a má administração pode ser intencional para justificar a antecipação de indenização junto a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). “A impressão que tenho é que fizeram o máximo para depreciar o balanço para justificar o pedido de mais de R$ 15 bilhões junto a Aneel”, diz.